Economia

http://pt.wikipedia.org/w/index.php?title=Economia&oldid=3994400


Economia - Existem muitas maneiras de conceber a economia como um ramo do conhecimento. Para os economistas clássicos, como Adam Smith, David Ricardo ou John Stuart Mill, a economia é o estudo do processo de produção, distribuição, circulação e consumo dos bens e serviços (riqueza). Por outro lado, para os autores ligados ao pensamento econômico neoclássico, a economia pode ser definida como a ciência das trocas ou das escolhas. Neste caso, para seguir a definição proposta por Lionel Robbins, a economia lidaria com o comportamento humano enquanto condicionado pela escassez dos recursos: a economia trata da relação entre fins e meios (escassos) disponíveis para atingi-los. Deste modo, o foco da ciência econômica consistiria em estudar os fluxos e meios da alocação de recursos para atingir determinado fim, qualquer que seja a natureza deste último. Segundo os economistas austríacos, especialmente Mises, a economia seria a ciência da ação humana proposital para a obtenção de certos fins em um mundo condicionado pela escassez.

A palavra economia deriva do grego oikonomía: oikos - casa, moradia; e nomos - administração, organização, distribuição. Deriva também do latim oeconomìa: disposição, ordem, arranjo.

Índice

Escolas de pensamento

Ao longo da história do pensamento económico co-existiram diferentes linhas de pensamento, entre as quais podem ser listadas: a economia política clássica (corrente dominante no mundo anglo-saxão até o final do século XIX), a economia marxista, a escola neoricardiana, a escola keynesiana e a economia neoclássica. Esta última é a corrente hegemônica desde a década de 1980, mas pode ser dividida entre diferentes grupos, como a escola Walrasiana, a escola de Chicago, a escola austríaca, etc.

Abordagem macroeconômica versus abordagem microeconômica

A abordagem macroeconômica estuda o comportamento dos grandes agregados econômicos como o Produto interno bruto(PIB), o consumo privado(CP), a taxa de desemprego(TD), a taxa de juro(SELIC) e consumo público. Através desta abordagem, os economistas tentam estabelecer relações entre estas variáveis para compreender e prever os efeitos de intervenções nessas variáveis sobre o futuro da economia. Um dos primeiros economistas a ultilizar agregados estatísticos em suas teorias foi Keynes, considerado o fundador da macroeconomia.

A abordagem microeconômica valoriza a forma como os indivíduos reagem a incentivos, como a informação circula na economia e como estes microeventos se refletem nas variáveis macroeconômicas. Historicamente, as primeiras teorias econômicas eram microeconômicas, e explicavam as variáveis macroeconômicas com base na ação individual dos agentes econômicos.

A análise microeconômica se desdobra no estudo dos seguintes conjuntos: Teoria do Consumidor, Teoria de Empresa, Teoria de Produção e Teoria de Distribuição

Economia normativa versus economia positiva

A economia normativa é uma abordagem que procura determinar como se pode manipular a economia para atingir determinados objetivos específicos. Normalmente, o que se pretende é atingir um determinado padrão de distribuição de riqueza. A economia normativa pressupõe uma tomada de posição ética em relação à realidade.

A economia positiva é uma abordagem que não tem preocupações éticas e que se limita a determinar os fatos tal qual eles existem.

Os defensores da economia positiva defendem que os economistas devem se preocupar essencialmente em determinar os fatos e que esta tarefa é por si só, extremamente difícil. Defendem que qualquer tentativa de manipular a economia, através do uso de coerção, está condenada ao fracasso por desconhecimento dos fatos econômicos e por consequências em relação a anulação de incentivos em relação a produção.

Os defensores da economia normativa argumentam que a riqueza deve existir para ser distribuida pelo estado e que se deve tentar modificar os factos económicos em favor do que entendem ser uma economia mais justa.

História

A economia moderna foi muito influenciada pela contribuição do escocês Adam Smith. Adam Smith, na sua obra A Riqueza das Nações, estabeleceu alguns dos princípios fundamentais da economia (estudando basicamente dois modos de produção que são o Mercantilismo e a Fisiocracia), que ainda hoje servem de guia aos economistas. Adam Smith foi o primeiro a defender que os interesses privados dos indivíduos produziam benefícios públicos. Porém, diferentemente do atual senso comum, Adam Smith nunca afirmou que o mercado independe do Estado, idéia esta difundida pelos neoliberais.

No entanto, algumas escolas actuais reconhecem que Aristóteles, outros pensadores gregos e os pensadores escolásticos do final da Idade Média também deram contribuições importantes à ciência econômica.

No século XIX, Karl Marx fez a crítica mais influente à economia de mercado e à ciência econômica ao defender que esta forma de organização econômica é uma forma de exploração do homem pelo homem. Marx defendia que toda riqueza era produzida pelo trabalho humano e que os donos do capital se limitavam a apropriar-se da riqueza produzida pelos trabalhadores.

Os argumentos de Karl Marx não convenceram os defensores da economia de mercado já que foram criticados por Böhm-Bawerk e outros economistas mais tarde. Estes constituíam a escola neoclássica que dominou o pensamento económico até à decada de 30 do século XX. Segundo a escola neoclássica, o preço de um bem ou serviço não representa o valor do trabalho nele incorporado. Assim sendo é o equilíbrio entre oferta e demanda que determina os preços. Depois de estabelecido, o preço atua como um sinalizador das quantidades dos estoques de bens e serviços. Por exemplo, uma variação nos preços indicaria aos consumidores que determinado bem requer mais ou menos unidades monetárias para ser adquirido, o que incentivaria ou inibiria o consumo. Já para os produtores, indicaria que os consumidores estariam dispostos a pagar mais ou menos unidades monetárias pelo bem ou serviço, o que, novamente, incentivaria ou inibiria o produtor a ofertar o bem ou serviço (dado seu custo de produção constante). Assim sendo, o mercado, através da sinalizaçao dos preços, tenderia ao equilíbrio ideal em termos de alocação de recursos escassos.

Nos anos 30, a teoria econômica neoclássica foi posta em causa por John Maynard Keynes. A teoria macroeconômica de Keynes previa que uma economia avançada poderia permanecer abaixo da sua capacidade, com taxas de desempregos altas tanto da mão de obra quanto dos outros fatores de produção, ao contrário do que previa a teoria neoclássica.

Keynes propôs intervenções estatais na economia com o objetivo de estimular o crescimento e baixar o desemprego. Para intervir, os estados deviam aumentar os seus gastos financiados e não aumentar seus impostos gerando uma diferença entre a arrecadação e os gastos. Esta diferença seria preenchida com a emissão de moeda, que por sua vez geraria inflação.

As idéias de Keynes permaneceram em voga nas políticas econômicas dos países ocidentais até os anos 70. A partir daí, a política econômica passou a ser orientada pelos economistas neoclássicos. Os keynesianos, contudo, ainda são muito numerosos. Apontam os neoclássicos que o estado empreendedor de Keynes era oneroso, burocrático e ineficiente e devia subordinar-se ao mercado.

A evolução da economia como ciência

As primeiras manifestações históricas do pensamento econômico são ligados aos esforços dos povos primitivos para melhoria de sua cultura técnica e solução de suas necessidades. Os primeiros problemas econômicos surgiram na era neolítica o inicio da utilização de ferramentas para a agricultura.

No mediterrâneo desenvolve-se princípios de organizações econômicas: Pelo Egito e pela Mesopotâmia com a exploração maciça da terra; nas cidades fenícias e gregas utilizasse a terra, o comércio marítimo e trocas internacionais e em Roma onde é feita a justaposição entre as forças econômicas da terra e do mar.

A queda de Roma iniciou a chamada Idade Média, uma nova fase da história da cultura e da economia. No século XI um crescimento demográfico criou a oferta necessária de mão-de-obra, provocando um aumento de produção que desenvolveu o comércio e as cidades. Surgiu então um comércio internacional de longo alcance, que mobilizou grandes capitais; a indústria têxtil ganhou um papel fundamental, nela havendo uma certa especialização do trabalho.

O ponto de vista econômica da Igreja foi defendido por Tomás de Aquino, o principal pensador, ele se preocupava com a correta utilização da propriedade privada e com um sistema de preços justo e sem práticas comerciais viciosas.

Os primórdios da Teoria Econômica foram no fim da Idade Média quando a interferência da igreja nos assuntos econômicos caiu. Uma fase onde os mercadores obtiveram reconhecimento da comunidade e do Estado. Os pensadores econômicos desse período entenderam que os grandes estoques de metais preciosos constituíam a própria expressão da riqueza nacional. O comércio Internacional transformou-se nesse período em um dos mais poderosos instrumentos da política econômica. A essas práticas atribuiu-se a denominação de mercantilismo.

Na Alemanha, o mercantilismo defendia o Estado absolutista e nacionalista e acreditava que o comércio exterior era orientado no sentido de conseguir superávits para a formação de uma Estado forte e soberano.

O pensamento mercantilista começou a sofrer restrições nas primeiras décadas do século XVIII. Na Alemanha desenvolveu-se o neo-cameralismo e na Inglaterra, o mercantilismo liberal.

A Economia Científica despontava com manifestações favoráveis a uma reforma radical nas concepções sobre o trabalho, o consumo, a distribuição das propriedades e os tributos. As duas correntes mais significativas da segunda metade do século XVIII foram a Escola Fisiocrata na França e a Escola Clássica, na Inglaterra.

A Fisiocracia introduziu duas ideias novas opostas ao sistema mercantilista:

1)A crença na existência de uma ordem natural, subjacente às atividades econômicas. Seria inútil impor leis e regulamentos à organização econômica. Esta seria capaz de guiar-se a si própria. A palavra fisiocracia é composta de dois vocábulos gregos que significam exatamente governo da natureza. ( laisse-faire) 2)A preeminência da agricultura sobre o comércio e a indústria. Para os fisiocratas só a terra é fonte das riquezas. As classes sociais não envolvidas no trabalho agrícola foram consideradas estéreis.

Adam Smith se opunha ao individualismo e seu pensamento tinha pontos em comum com a teoria dos fisiocratas. Mas ele construiu alicerces próprios analisando as possibilidades de manutenção da ordem econômica através do liberalismo e ainda a interpretação das mudanças tecnológicas produzidas no sistema econômico pela Revolução Industrial.

A filosofia do laisse-faire defendida pelos fisiocratas e pelos clássicos foi criticada por novas escolas do pensamento econômico desenvolvidas na segunda metade do século XIX. Nesse período da expansão do capitalismo surgiram muitas crises de superprodução, que desmentiram as clássicas leis do ajustamento automático da oferta e procura.

Os pesquisadores da Escola Marginalista propuseram rever praticamente toda a Analise econômica Clássica, com base em novos modelos teóricos definidos a partir de concepções acerca do valor, da utilidade, do trabalho, da produção, da escassez, da formação dos custos e dos preços.

Para os Neoclássicos o problema mais importante era o funcionamento do sistema de mercado e seu papel como alocador eficaz de recursos. Partir disso desencadeia em 1930 uma grande Crise.

A Revolução Keynesiana promovida pelo notável economista inglês John Maynard Keynes, nos anos da Grande Depressão, quando a teoria Clássica já não mais se adaptava a realidade econômica da época. Keynes em seu primeiro livro publicado em 1913, tratava de problemas monetários. Após 1930, a Inglaterra_ como quase todos os países ocidentais_ mergulhou em grande depressão e o desemprego tornou-se uma praga. Nesse período Keynes entregou-se a reflexões sobre os mais graves problemas do sistema capitalista e decrescente do laissez-faire e do automatismo auto-regulador das economias de mercado, procurou encontrar a terapêutica exata que pudesse recuperar os países abalados pela Grande Depressão.

Em fevereiro de 1936 publicou General Theory e promoveu o que se chama hoje de Teoria Keynesiana. A vitória de Keynes sobre os clássicos traduz o triunfo do intervencionismo moderado sobre o liberalismo radical, além de constituir um desejável meio-termo entre a liberdade econômica absoluta e o total controle do Estado sobre o meio econômico.

A Revolução Keynesiana de que hoje se fala deu nova vida às Ciências Econômicas: as velhas peças da economia clássica foram substituídas por uma nova dinâmica de raciocínio, e a Analise Econômica restabeleceu o necessário contato com a realidade.

Keynes procurou então estudar os determinantes do nível do emprego e da Renda Nacional e verificou que o Estado deveria participar da atividade econômica, procurando compensar o declínio dos investimentos privados nos períodos depressivos das crises econômicas. Os investimentos suplementares do Estado transformar-se-iam nos cães de fila da recuperação econômica e garantiriam o reequilíbrio da atividade.

O intervencionismo de Keynes devia atuar sobre as grandes linhas do sistema. Keynes reunia três raros talentos: Foi um lógico de alta classe tento publicado a Teoria das Possibilidades, dispunha de alto grau de talento para escrever convincentemente e possuía um sentido muito realista de como as coisas se desenvolviam.

Lista de economistas famosos

  • Adam Smith (1723)
  • Joseph Schumpeter (1883)
  • John Maynard Keynes (1883)
  • Milton Friedman (1912)
  • Paul Samuelson (1915)
  • Myron Scholes (1941)
  • Joseph Stiglitz (1943)
  • Paul Krugman (1953)
  • Eugen von Böhm-Bawerk (1851)
  • George Akerlof (1940)
  • Armen Alchian (1914)
  • Robert Barro (1944)
  • Fischer Black (1938)
  • Antoine Augustin Cournot (1801)
  • John Kenneth Galbraith (1908)
  • Alan Greenspan (1926)
  • Trygve Haavelmo (1911)
  • Friedrich Hayek (1899)
 
  • John Hicks (1904)
  • Wassily Leontief (1906)
  • Alfred Marshall (1842)
  • Karl Marx (1818)
  • Carl Menger (1840)
  • Robert Mundell (1931)
  • Bertil Ohlin (1899)
  • Vilfredo Pareto (1848)
  • Friedrich von Wieser
  • Amartya Sen (1933)
  • Robert Solow (1924)
  • Jan Tinbergen (1903)
  • James Tobin (1918)
  • Muhammad Yunus (1940)
  • Emile Durkheim (1858)
  • John Forbes Nash Jr. (1928)
  • Ludwig von Mises (1881)
  • Jean-Baptiste Say (Lyon, 1767 - Paris, 1832)

Conceitos

Os economistas neoclássicos baseiam os seus raciocínios em axiomas lógicos como a existência da racionalidade dos agentes, agentes maximizadores de bem-estar, donde se derivam dedutivamente conceitos como custo de oportunidade e trade-offs em leis como a lei da oferta e da procura e teorias como a escolha pública, teoria dos jogos num mercado duopolizado, a teoria do consumidor e produtor.

Tipos de produção

Ver também

  • Premios Nobel de Economia
  • Administração financeira
  • Contabilidade Social
  • Capitalismo
  • Eco-economia
  • Econometria
  • Economia Aziendal
  • Economia da Informação
  • Economia de estado
  • Economia de Livre Mercado
  • Economia de Portugal
  • Economia do Brasil
  • Economia ecológica
  • Economia Européia
  • Economia informal
  • Economia internacional
  • Economia mista
  • Economia participativa
  • Economia política
  • Economia solidária
  • Eurodólar
  • Euromoeda
  • Euronext
  • Finanças Públicas
  • Feudalismo
  • Globalização
  • História da Economia
  • História da Moeda
  • Lei da oferta e da procura
  • Lei de Metcalfe
  • Lei de Moore
  • Lei de Say
  • Liberalismo económico
  • Lista de economistas
  • Marxismo
  • Mercantilismo
  • Nasdaq
  • Neoliberalismo
  • Petrodólar
  • Socialismo
  • Teoria dos Jogos

Ligações externas

  • Dicionários-Online.com - Dicionários de economia.
  • GEEIN - Grupo de Estudos em Economia Industrial
  • História do pensamento econômico
  • Site sobre a escola austriaca de economia e seu pensador mais importante
  • Instituto de estudos econômicos com ponto de vista liberal
Navegação